domingo, 3 de agosto de 2008

Micoses

A micose é a infecção causada por fungos e pode ser divididas em:

  • Micoses superficiais: São infecções limitadas a camada mais superficiais da pele e do pêlo. Não são destrutivas e possuem importância cosmética apenas. As lesões geralmente são maculares planas hipo- ou hipepigmentadas ao longo do corpo.

Principais: Pitiríase vesicolor, Tinea nigra, Piedra

  • Micoses cutâneas: São infecções limitadas ao tecido queratinizado superficial (pele, cabelos e unhas. Mais importantes: Dermatófitos – mais de 40 fungos que pertencem a 3 gêneros (Microsporum, Trichophytom, Epidermophyton)
  • Micoses subcutâneas: Geralmente são causadas por fungos que habitam solo e vegetações, penetram na pele por inoculação traumática com material contaminado. Dissemina-se por vasos linfáticos. Raros são os casos que podem se tornar sistêmica.
  • Micoses sistêmicas ou profundas: são doenças adquiridas por inalação de esporos ou por traumas profundos. Geralmente são referidas como pneumonias fúngicas, podendo disseminar para outros órgãos. Em geral são termicamente dimórficos com formas saprófitas.
Os principais agentes incluem os patógenos Histoplasma, Coccidioides e Blastomyces.
Artigos relacionados:
- Coccidioidomicose: novo caso brasileiro

- Acute disseminated histoplasmosis and endocarditis

- CHRONIC PULMONARY HISTOPLASMOSIS IN BRAZIL: REPORT OF TWO CASES WITH CAVITATION DIAGNOSED BY TRANSTHORACIC NEEDLE BIOPSY

- Paracoccidioidomicose palpebral: Relato de três casos

- Paracoccidioidomicose: Atualização Epidemiológica, Clínica e Terapêutica

  • Micoeses oportunistas: São causadas por fungos amplamente distribuídos na natureza. Geralmente não causam infecção sistêmica em pacientes imunocompetentes. Já os pacientes imunocomprometidos são altamente susceptíveis. Há infecções oportunistas por fungos endógenos, pertencentes a microbiota normal, e exógenos, encontrados no solo, na água e no ar. Principais patógenos: Candida, Cryptococus, Aspergillus.

- Aspergilose cerebral em paciente imunocompetente

- Aspergilose pulmonar invasiva (caso clínico)

Fungos imperfeitos..

Abrange todos os fungos nos quais o estágio sexual não foi identificado ou parece ter sido substituído por outros mecanismos, a exemplo o mecanismo parasexual (anastomse).
Incluem nessa classe de fungos imperfeitos os Deuteromycotas que possuem grande importância médica. Neste filo estão os bolores e as leveduras, em geral estes organismos possuem hifas septadas e produzem conídios.

quinta-feira, 31 de julho de 2008

"Chulé" ... fungo ou bactérias??


Os pés e mãos contêm mais glândulas sudoríparas do que qualquer outra parte do corpo proporcionando a eliminação do suor.

O chulé é o nome popular dado à bromidrose quando acontece nos pés. A causa seria o suor excessivo na planta dos pés que é agravada pela falta de higiene.

Como consequência ocorre ação exclusiva de bactérias que decompõe o suor, esse processo de fermentação gera o mau cheiro. As bactérias habitam a nossa pele e fazem parte da microbiota normal, a falta de higiene e umidade excessiva acabam causando o desequilíbrio favorecido por um ambiente que torna permissivo o crescimento rápido de bactérias.

Portanto "chulé" não é causado por fungo, mais pode favorecer o aparecimento deste, já que há uma associação com umidade, temperatura elevada, desequilíbrio e falta de higiene. Ambiente totalmente favorável ao aparecimento das micoses.
Saiba mais:
O chulé.. (como evitar)

terça-feira, 29 de julho de 2008

Fungos..


Os fungos são seres eucariontes, aeróbitos obrigatórios ou facultativos, produtores de esporos, que possuem formas filamentosas (hifas) ou ovais (leveduras), de reprodução sexuada, assexuada ou parasexual. Uma característica importante é que são saprófitas, ou seja decompositores da biosfera.


Segundo Actor (2007), existem mais de 100.000 espécies de fungos (necessitam de matéria orgânica como fonte de energia) e cerca de 300 espécies são patogências ao homem causando alergias e efeitos tóxicos, mas acredito que esses números sejam bem maiores.

Os fungos são ubíquos, ou seja, ocorrem em todos os ambientes do planeta, sendo parasitas de vários animais e vegetais variando desde pequenas lesões até a morte. Outros fungos parasitas infectam plantas, causando doenças como a gomose. A grande parte das plantas vasculares possuem associações simbióticas com fungos, a nível da raiz, ao que se dá o nome de micorrizas. Esta associação ajuda as raízes na absorção de água e nutrientes.

Classificação dos fungos de importância médica:
  1. Ascomycota
  2. Deuteromycota (fungos imperfeitos) - importância médica
  3. Oomycetos
  4. Zygomycota
  5. Basidiomycota
Os fungos possui significativa importância por serem ubíquos e pelo grande número de espécies, estando presente nas mais diversas áreas:

  • São utilizados na indústria - produção de queijos e bebidas alcoólicas, alimentos -champignon (Agaricus campestris)
  • Na farmacologia - penicilina (Penicillium); LSD – droga psicodisléptica (produzido a partir da ergotamina (Claviceps purpurea)
  • Alguns são agentes etiológicos de várias doenças; alergias
  • Produtores de toxinas como a aflatoxinas (Aspergillus flavus)
  • Impacto econômico na agricultura (fitopatógenos)
  • Contribuem para o estudo da Genética, Citologia e Bioquímica.

Saiba mais sobre fungos:

Reino Fungi

Importância ecológica e econômica dos fungos

Infecção hospitalar por levedura do gênero candida

Dermatoses em pacientes infectados por HIV (fungo: doença oportunista)

Imagens (micoses)

Micologia Clínica

sexta-feira, 18 de julho de 2008

Transcriptase reversa


video


Transcriptase reversa (também conhecida como DNA-polimerase RNA-dependente), é uma enzima que realiza um processo de transcrição ao contrário em relação ao padrão celular. Essa enzima polimeriza moléculas de DNA a partir de moléculas de RNA, exatamente o oposto do que geralmente ocorre nas células, nas quais é produzido RNA a partir de DNA.
É exatamente por possuir essa enzima que alguns vírus, dentre eles o HIV, são chamados de retrovírus. Após estar na célula-hospedeira a transcriptase reversa utiliza os nucleotídeos presentes no citoplasma para montar uma fita de DNA juntamente a fita de RNA viral. A enzima RNAse é incumbida de desagregar a fita de RNA por hidrólise e deixar a simples fita de DNA solta no citoplasma. Volta a transcriptase reversa que completa essa fita de DNA, tornando-a a dupla hélice de nucleotídeos a serem integradas no DNA da célula-hospedeira com auxílio da enzima integrase. A partir desse molde os ribossomos da células hospedeira fazem a tradução para produzir proteínas virais. E novamente serem capazes de formar novos vírions capazes de infectar novas células, o tipo de celular a ser infectado é determinado pelo pelo tropismo viral.

segunda-feira, 14 de julho de 2008

Novas possibilidades...


Terapia Genética


É um campo da medicina que nos possibilita tratar doenças baseado na transferência de material genético. Em sua forma mais simples, a terapia genética consiste na inserção de genes desejáveis, para substituir ou complementar os genes causadores de doenças. A maioria das tentativas clínicas de terapia genética atualmente em curso são para o tratamento de doenças adquiridas, como AIDS, neoplasias malignas e doenças cardiovasculares, mais do que para doenças hereditárias. Em alguns protocolos, a tecnologia de transferência gênica vem sendo usada para alterar fenotipicamente uma célula de tal modo a torná-la anti-gênica e assim desencadear uma resposta imunitária. De maneira análoga, um gene estranho pode ser inserido em uma célula para servir como um marcador genotípico ou fenotípico, que pode ser usado tanto em protocolos de marcação gênica quanto na própria terapia genética. O panorama atual indica que a terapia genética não se limita às possibilidades de substituir ou corrigir genes defeituosos, ou eliminar seletivamente células marcadas. Um espectro terapêutico muito mais amplo se apresenta à medida em que novos sistemas são desenvolvidos para permitir a liberação de proteínas terapêuticas, tais como, hormônios, citocininas, anticorpos, antígenos ou novas proteínas recombinantes.

Saiba mais:

Terapia genética , Nova arma contra doenças

Para um antígeno há sempre uma resposta...

A defesa do hospedeiro é baseada na disponibilidade de recursos para combater um patógeno localizado. Virtualmente todos os patógenos possuem uma fase extracelular durante a qual eles são vulneráveis aos mecanismos efetores mediados por anticorpos. Um agente extracelular pode residir nas superfícies de células epiteliais, onde anticorpos (IgA) e células inflamatórias não-específicas podem ser suficientes para combater a infecção. Mas se o agente reside dentro de espaços intesticiais, no sangue ou linfa então a proteção pode também incluir componentes do complemento, fagocitose por macrófagos e respostas de neutralização. Agente intracelulares necessitam de uma resposta diferente para serem efetivos, seria ativação e linfócitos T, células NK e macrófagos dependente de células T.

Fonte: Actor, Imunologia e Microbiologia. 2007


Causas da infecção e seus respectivos mecanismos de defesa:

Bactérias: anticorpo, complexo imune e citotoxicidade
Micobactérias: DTH e reação granulomatosa
Vírus: anticorpo (neutralização), CTL
Protozoários: DTH e anticorpo
Fungos: DTH e reação granulomatosa

INFECÇÕES CAUSADAS POR MICOBACTERIAS

Segundo Actor, as micobactérias evoluiram para inibir os mecanismos de morte efetuados por macrófagos, conseguindo desta forma sobreviver.

Como consequência, micobacterias como a da tuberculose e da hanseníase induzem uma resposta de hipersensibilidade tardia levando a formação de granulomas.

Entenda a formação do granuloma.

Inicialmente, ocorre a proliferação de macrófagos, na tentativa de fagocitar o agente; essas células maturam e podem adquirir um novo padrão, passadno a ser chamadas de célula epitelóide, esse mecanismo ocorre devido a ação de citocinas, dentre elas IL-2 e interferon gama.

As células epitelióides podem ainda fusionar, originando as células gigantes multinucleadas, conhecidas como células de Langhans. Essas células ocupam, inicialmente, a porção central do granuloma. Na periferia, são observados linfócitos do tipo T, os quais caracterizam uma resposta de hipersensibilidade tardia.

Na periferia ainda proliferam fibroblastos e vasos sangüíneos, um para dar suporte a estrutura granulomatosa e o outro para nutri-la.

Com o crescimento do granuloma (tumor), sua porção central pode sofrer necrose caseosa, devido a carência nutricional, contribuindo para a formação de um centro necrótico.

Saiba mais:

Imunoterapia: o impacto médico do século , Tuberculose , Hanseníase , Granuloma não-infeccioso (sarcoidose) , Imagens (granulomas)

domingo, 13 de julho de 2008

Vírus


Os vírus são conhecido como parasitas inertes e intracelulares obrigatórios. Pois precisam da maquinaria enzimática e dos processos de transcrição e tradução executados pelas células hospedeiras. Sua origem ainda é discutida.
Os vírus possuem a capacidade de se cristalizarem, isso nada mais é do que virar simples cristais, o mais interessante é que não perder a característica infecciosa. Essa condições só acontece quando os mesmos se encontram em um ambiente desfavorável ao seu desenvolvimento, ambiente este denominado extracelular.


Então fica a questão: ser vivo ou ser inanimado??


"Reduzida à essência, a vida não passa do “crescei e multiplicai-vos”. A diferença fundamental entre o mundo vivo e o inanimado é nossa capacidade de produzirmos cópias de nós mesmos."




Entenda o processo de cristalização desenvolvido pelo homem.

quinta-feira, 10 de julho de 2008

Introdução a microbiologia

Microbiologia: Mikros (= pequeno) + Bio (= vida) + logos (= ciência). A Microbiologia era definida, até recentemente, como a área da ciência que dedica-se ao estudo dos microrganismos, um vasto e diverso grupo de organismos unicelulares de dimensões reduzidas, que podem ser encontrados como células isoladas ou agrupados em diferentes arranjos (cadeias ou massas), sendo que as células, mesmo estando associadas, exibiriam um caráter fisiológico independente.


Infecção hospitalar: artigos relacionados
  1. Infecção hospitalar e suas implicações para o cuidar da enfermagem
  2. Freqüência de cepas produtoras de enzima beta lactamase de espectro expandido (ESBL) e perfil de susceptibilidade de Klebsiella pneumoniae em hemoculturas no berçário de um hospital de Fortaleza
  3. Desafios do cuidar em saúde frente a resistência bacteriana: uma revisão